Segunda-feira, 26 de Maio de 2008

Mulheres,filmes e...lágrimas!

Não há nada a fazer! Deve ser absolutamente inevitável no sexo feminino a compulsão crónica para ver filmes com histórias de amor com final feliz, do género: rapariga conhece rapaz, ficam louca e imediatamente apaixonados; quando tudo parece correr bem, acontece um imprevisto e separam-se, acabando por voltar a reunir-se, no final, após os problemas estarem resolvidos.

E não há mesmo nada a fazer! Quando o primeiro encontro se dá, já sabemos como o filme vai acabar mas, mesmo assim, ficamos ali coladinhas ao écrã, fungando volta e meia, disfarçadamente, derramando um caudal de lágrimas no fim, aliviadas por tudo ter corrido bem, como já prevíramos! E, estranhamente, somos capazes de ver o mesmo filme centenas de vezes, até sabermos todos os diálogos de cor e, mesmo assim, voltamos a vê-lo mais outra vez,  sempre com  a mesma emoção! «Sleapless in Seattle», «Notting Hill», «4 casamentos e um funeral», «Pretty woman», «O casamento do meu melhor amigo» e tantos, tantos mais! A Julia Roberts e a Meg Ryan, Richard Gere, Hugh Grant e Tom Hanks, entre outros, são aqueles que nos fazem chorar,  enquanto aproveitamos para «lavar a alma», num daqueles actos tipicamente femininos que a maior parte dos homens estranha!

«Não há nada a fazer», dizem eles, «mulheres!». «Não há nada a fazer quanto a este comentário», digo eu, «homens!».

 

Lavemos, pois, a alma:

 

 

 ...o último bocadinho de um destes filmes, «Notting Hill» e a canção «She» aqui cantada por Elvis Costello (no original por Charles Aznavour, também autor da música).

Rabiscado por... misal às 20:48
link do post | «Li e penso de que...» | Adicionar aos favoritos
13 comentários:
De Clara de Ovo a 8 de Junho de 2008 às 20:01
Eh lá. Isto ainda vai a missa(l) a metade.

A propósito, viram o jogo de ontem? Eu confesso que aproveitei o início para ir às compras, na esperança (cumprida) de que o pessoal estivesse em casa em frente à TV, tipo couch-potato, de bejeca e tremoço ou alcagoita na mão (ou lá onde fosse), de forma a não ter de ficar muito tempo na fila da caixa. E, de regresso, no fim, até saltei de alegria com o segundo golo dos tugas. Não chorei porque anda foi só o primeiro, e quero guardar as lágrimas ou para a vitória ou para a desgraça. Além de que já ando suficientemente ranhosAAA com a crise de alergia.
Vá, quero ler mais.
De misal a 8 de Junho de 2008 às 20:16
Pois, afinal não consegui chorar, até porque só vi quase o fim... mas também saltei com o último golaço!
...e não é que antes disso, na SIC, deu o «Notting Hill»?...e não é que no fim chorei outra vez?!... Que «vício»!

Comentar post

Nada sobre mim

Procurar agulha em palheiro...

 

Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Posts recentes

...

DE LUZ E DE SAL

Abraço

Sábado, 24 de Abril, Sant...

Dia das Doenças Raras

Vencer, apesar do medo...

O hoje e o agora...

E bom Natal!!!!!!!!!!!!!

Desistir...

Ousar ser diferente

Baú de memórias...

Abril 2014

Dezembro 2011

Novembro 2011

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

tags

todas as tags

A escaldar...

Abraço

Dia Mundial da Música I

«Porque a deficiência não...

Ver, rever e (con)viver.....

Coganitos...

Hoje é o dia!

Momentos perfeitos

Tesouros...

Da voz das coisas

links