Sexta-feira, 20 de Novembro de 2009

Desistir...

Confesso que não é um verbo de que goste muito, já que por natureza sou persistente e muito teimosa também, dependendo do ponto de vista, e que luto e esbracejo até quase não poder mais, quando acho que devo, que quero, que posso!

Desistir foi para mim, durante muitos anos, sinónimo de falhanço, de falta de força e de coragem...o não ser capaz de ir mais além e aceitar levemente o que a vida nos oferece de de mau. Logo, se desistia, era por ser fraca...mais fraca que os outros...

De há algum tempo para cá comecei a reconhecer como verdadeira a afirmação de alguém mais perspicaz que eu nestas coisas da vida: por vezes é preciso mais coragem para desistir do que para lutar, é mais fácil tentar agarrarmo-nos às sombras do passado do que reconhecer que, se calhar, aquele não é o caminho certo para nós e há que enveredar por outro que melhor nos sirva.

Essa aceitação de que tal pode ser verdadeiro não obsta, porém, à minha implicância com o verbo em questão, sobretudo quando ele se refere a alguém: é extraordinariamente doloroso quando alguém desiste de nós, sobretudo se desconhecemos o motivo e se até gostamos da pessoa em questão. Mais doloroso é quando nos apercebermos que às tantas já nem queremos saber o porquê, fartos que estamos de tentar lançar âncoras num mar demasiado bravio para nós, numa terra que expele a semente que queremos nela plantar, deixando em nós a sensação de termos sido usados e descartados com igual facilidade...

É então nesse momento que nós desistimos desse alguém...e isso não nos deixa mais aliviados, nem mais felizes...mais preocupados sim, por não termos sabido chegar ao outro e por já nem querermos fazê-lo...a não ser que para resolver a questão, decidamos de uma vez por todas...desistir de pensar no assunto e continuarmos o caminho com aqueles que temos no coração e que mesmo na maior das confusões arranjam sempre tempo, um minuto ou dois que seja, para nos dizerem um olá, mostrando que não conjugam o verbo desistir...pelo menos em relação a nós!

Rabiscado por... misal às 01:38
link do post | «Li e penso de que...» | Bisbilhotar... (3) | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 2 de Outubro de 2009

Uma casa na pradaria....

«Nunca é demasiado tarde para seres aquilo que devias ter sido» George Sand E se eu não sei quem deveria ter sido? E ...

Ler artigo
Sábado, 24 de Janeiro de 2009

Primavera, já!...

Se Natal é quando um homem quiser, eu decreto a partir de hoje o início da Primavera, em todo o seu esplendor, com toda ...

Ler artigo
Tou...:
Quarta-feira, 10 de Dezembro de 2008

Vida e vidas...

1988, Verão e o meu primeiro aviso de que a imortalidade existe apenas na ficção - danos materiais, alguns, físicos tamb...

Ler artigo

Nada sobre mim

Procurar agulha em palheiro...

 

Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Posts recentes

Desistir...

Uma casa na pradaria...

Primavera, já!...

Vida e vidas...

Baú de memórias...

Abril 2014

Dezembro 2011

Novembro 2011

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

tags

todas as tags

A escaldar...

Abraço

Dia Mundial da Música I

«Porque a deficiência não...

Ver, rever e (con)viver.....

Coganitos...

Hoje é o dia!

Momentos perfeitos

Tesouros...

Da voz das coisas

links

Estou no Blog.com.pt PT Bloggers a directoria de blogs Portugueses

Bisitas

blogaqui?

Ecos

Bisitas onlaine

online

Lugares dos sons

ImageChef.com - Custom comment codes for MySpace, Hi5, Friendster and more