Sexta-feira, 22 de Junho de 2007

Blog

Mantivera no fim da adolescência
aquilo a que chamava simplesmente
o seu diário íntimo:
páginas manuscritas onde ardiam
rastilhos de mil sonhos que rasgavam
as mordaças da angústia social,
a timidez tão própria da idade.
 
Nessa caligrafia cuja cor
fora ainda a do sangue
colheu a energia necessária
pra atravessar como um sonâmbulo
o ordálio daquela juventude,
o seu incandescente calendário
de amizades vorazes, tão velozes
como os amores que julgava eternos
e outras feridas mal cauterizadas.
 
Hoje quase não volta a essas páginas:
estamos no século XXI
e em vez do diário de outros tempos
mantém agora um blog
onde todos os dias extravasa
recados, atitudes, confissões,
coisas no fundo tão inofensivas
como o fogo que outrora lhe acendia
as frases lancinantes
- embora hoje em dia quando escreve
tenha por um momento a ilusão
de que as suas palavras continuam
a propagar ainda o mesmo vírus,
e a alimentar, quam sabe, os mesmos
sonhos
sempre que alguém desconhecido as ler
como quem só assim então escutasse
um segredo na noite do mundo.
 
Mas, apesar de todo o entusiasmo
que o mantém acordado por noites sem fim,
ele adivinha que também virá
um dia a abandonar sem saber como
o seu actual vício solitário
e dentro de alguns anos, ao reler
as frases arquivadas no computador,
talvez tudo isso lhe pareça então
fruto de gestos tão adolescentes
como os que antigamente preenchiam
esses cadernos amarelecidos
e hoje sepultados para sempre
em esquecidas gavetas de outro século.
 
Fernando Pinto do Amaral, Pena Suspensa
 
 
Esclarecimentos:
  1. Não, não ganho nenhuma comissão por divulgar poesia portuguesa.
  2. Não, não quero armar-me em intelectual, «postando» poesia ou excertos de qualquer outro tipo de literatura (prova: fui ao dicionário ver o significado de "ordálio": «prova jurídica chamada também Juízo de Deus, usada na Idade Média, e que consistia em o acusado se submeter a torturas físicas que provariam a sua inocência, caso não lhe causassem dano» - só uma questão: terá havido algum acusado considerado inocente?
  3. Não, não fiz nenhuma promessa de «postar» dia sim, dia não (ou dia sim, dia sim!) os poemas que leio.
  4. Sim, gosto de ler poesia (... e não só). E como os ouvidos nem sempre me permitem ouvir música (já raramente e só música conhecida), ou ouvir programas de televisão (abençoado país em que há legendas nas séries e nos filmes, em vez de dobragens!) ou até conversar ao mesmo tempo com mais do que uma pessoa,dedico à leitura muito do meu tempo. Sempre gostei de ler, agora agradeço por isso.Lamento apenas o preço exorbitante dos livros pois, para além de ler, também há prazer no acto de possuir um livro (abençoados família e amigos pelo empréstimo, obrigada às Bibliotecas Municipais - em tempos de crise há que deitar mãos a todos os recursos).
  5. Sim, muitas vezes encontro poemas, frases, provérbios, máximas que exprimem exactamente o que sinto no momento em que os leio. E alegra-me pensar que as emoções não são propriedade de ninguém e que já alguém sentiu aquilo que vivencio.
  6. Sim, gosto de partilhar  os poemas e as frases  que me agradam.
  7. Sim, tenho uma inveja imensa de quem escreve poesia assim! Gostaria de me exprimir deste modo, mas penso que só os talentosos e trabalhadores (talento sem trabalho não serve para nada e vice-versa!) o conseguem e não ouso sequer arriscar a ideia de que posso escrever poesia, pois não me considero nem com talento para tal nem suficientemente persistente.
  8. Não, nunca tive um diário nem quando adolescente.
  9. Sim, «extravaso» aqui aquilo que me percorre o sentir e o pensamento, aquilo que leio e me toca, as minhas dúvidas e tanto mais.
  10. Sim ou não? - não sei se virei a achar infantis estes «posts» e até a ideia de manter um blog, nem isso me preocupa agora. Para já, tem-me sabido bem poder fazê-lo e, com isso, tentar exorcizar alguns dos meus demónios diários desta «era pós-Cogan», para além de tentar divulgar informações sobre  esta doença. O resto se verá!
Rabiscado por... misal às 20:40
link do post | «Li e penso de que...» | Adicionar aos favoritos

Nada sobre mim

Procurar agulha em palheiro...

 

Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Posts recentes

...

DE LUZ E DE SAL

Abraço

Sábado, 24 de Abril, Sant...

Dia das Doenças Raras

Vencer, apesar do medo...

O hoje e o agora...

E bom Natal!!!!!!!!!!!!!

Desistir...

Ousar ser diferente

Baú de memórias...

Abril 2014

Dezembro 2011

Novembro 2011

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

tags

todas as tags

A escaldar...

Abraço

Dia Mundial da Música I

«Porque a deficiência não...

Ver, rever e (con)viver.....

Coganitos...

Hoje é o dia!

Momentos perfeitos

Tesouros...

Da voz das coisas

links

Estou no Blog.com.pt PT Bloggers a directoria de blogs Portugueses

Bisitas

blogaqui?

Ecos

Bisitas onlaine

online

Lugares dos sons

ImageChef.com - Custom comment codes for MySpace, Hi5, Friendster and more