Terça-feira, 9 de Setembro de 2008

«Porque a deficiência não é nenhuma doença contagiosa, mas o amor é»

Não me perguntem a relação desta frase de Mafalda Ribeiro (in mafaldisses) que serve de título a este post com o conteúdo do mesmo, porque ainda não sei!

Sei apenas que é uma das muitas frases deste livro que sublinhei, porque gostei delas, umas porque me tocaram particularmente, pela sua beleza, outras pelo despertar das emoções ou do arrepio da pele ao lê-las. Algumas têm a ver com a minha vida pessoal enquanto deficiente auditiva, outras cativaram-me porque me indicam caminhos seguidos por alguém que faz da sua doença uma característica que lhe é inerente e que lhe possibilitou voos e ousadias impensáveis numa pessoa dita normal, alguém que não tem medo de se mostrar como é, de assumir as suas limitações mas também o seu desejo de esticar os limites para além do aparentemente possível, alguém que sabe ser feliz com aquilo que a vida lhe deu e ser ela própria, sem complexos, sem culpas, sem frustrações e com alegria e crença na felicidade...

 

Não é fácil a descoberta e aceitação das nossas diferenças em relação aos outros, mas sobretudo perante nós mesmos; não é fácil ser-se diferente da maior parte dos que nos rodeiam e tentar encontrar o nosso lugar no mundo; não é fácil recomeçar não do zero mas de um ponto doloroso que apagou uma parte da nossa vida e nos obrigou a reconstruirmo-nos por dentro, por fora, na vida pessoal, na parte profissional, no olhar que os outros tinham sobre nós, a imagem que passávamos de nós e aquela que víamos dentro de nós; não é fácil reconhecer os «nunca mais...» que nos tolhem a imaginação e a esperança; não é fácil libertarmo-nos dos preconceitos que nós próprios criámos sobre as limitações que passam também a ser nossas; não é fácil a descoberta de que tal como alguns outros, também nós já não pertencemos a determinado mundo, ou estamos num lugar de transição entre mundos...ou ainda não sabemos aonde estamos, a que realidade criamos amarras; não é fácil o recomeçar da construção de rotinas de x em x meses, sem saber o que nos espera ali mesmo ao virar da esquina, agora que aquela segurança que sentíamos no repetir de rituais e acções desapareceu; não é fácil perceber o que ficou de nós depois do terramoto que nos mudou para sempre e que arrancou uma parte de nós; não é fácil subir ao trapézio sem saber o que acontecerá se as nossas forças não chegarem; não é fácil ser portador de uma deficiência e de uma doença crónica e ter olhares sobre nós, pesquisando sinais de mudança no ser que conheciam, para posteriores exclamações de dó, ou pena... ou descrença quanto às ditas doença e deficiência, «pois se até tens boa cara e falas e ages praticamente como dantes...»; não é fácil não querer ser coitadinha e lutar por avançar... e depois não conseguir que aceitem que também temos fraquezas e momentos de desânimo; não é fácil a vida e não há mesmo manual algum de instruções que nos diga o que fazer e o que pensar a cada sobressalto maior ou menor no quotidiano...

 

«Et pourtant»...como cantaria o Léo Ferré... temos mesmo de avançar, por nós, por aqueles que nos amam, porque a vida não nos cai no colo assim de repente, porque ficar sentados a chorar não é solução... e porque não sabemos fazer de outra forma! ...mas deixem-me hoje queixar do cansaço, dos momentos de angústia...porque eu não sou só sol, não sou só força, não sou só luta, sou também aquele ser pequenino que se esconde cheio de medo atrás da imagem que criou para si e para os outros, a quem a vida também dói, um pedacinho de vidro (esta paga direitos de autor à E.!), colorido mas de vidro, que também sofre como os outros, que também cai como os outros, que também precisa da força dos outros... Ainda que este pedacinho de vidro ambicione ser cristal, ainda que este pedaço de mim queira ir mais longe e contrariar os seus momentos de desânimo, ainda que tenha dificuldade em reconhecê-los como seus e aceitá-los como normais, em alguém que é só vidro... como os outros todos, deficientes ou não, doentes ou não!

 

E este pedacinho de mim anseia por que o amor seja mesmo contagioso, como afirma a Mafalda Ribeiro, e me ajude a ir mais longe, a ser mais verdadeira comigo e a recuperar aquele sol que até tem estado comigo tantos e tantos meses! "Porque eu continuo a acreditar que as pessoas não se cruzam na vida umas das outras por acaso.", diz a Mafalda; sim, e porque eu quero acreditar que há coisas que não acontecem por acaso ou, se assim é, que nós temos de lhes atribuir um sentido, servirmo-nos delas para tentar ir mais longe, partir daquilo que nos roubou a vida que tínhamos e criar algo com sentido para nós e que nos faça transcender a sensação de perda, sublimando-a em novas conquistas para nós e já agora para os outros...porque o amor deve ser mesmo contagioso!

Tou...:
Rabiscado por... misal às 16:41
link do post | «Li e penso de que...» | Adicionar aos favoritos
9 comentários:
De Su a 17 de Novembro de 2008 às 00:45
Que lindo texto...palavras de outros q parecem ter sido escritas por nós ou para nós. N pude deixar de ficar com os olhinhos molhados... Léo Ferré? És professora de francês? :-D
De emcontas a 10 de Setembro de 2008 às 23:02
Como sempre a tua veia de poetisa vem à tona. As tuas palavras fazem-nos pensar. Estou a deixar esta mensagem porque resolvi vir visitar-te e espero que não estejas chateada ou desiludida comigo após os acontecimentos desde que nos encontámos.
Muitas bjocas e fica bem:))
Emontas
De misal a 10 de Setembro de 2008 às 23:33
Não é veia... é mesmo o que sinto!
Chateada contigo? Porquê? Ó santinha, estive de férias...mas fui mais tarde que tu!
Beijocas
De Borboleta_A a 10 de Setembro de 2008 às 20:55
Ontem li o teu texto e fiquei-me pelos meus pensamentos, como se de um espelho se tratasse...
As palavras não surgiram para comentar, não sei porquê, limitei-me a divagar em alguns sentimentos.

Mas hoje aqui estou para partilhar um pouco do meu sol oferecendo as cores do arco-íris.
A minha força é a tua força.

"As pessoas não se cruzam por acaso"

De misal a 10 de Setembro de 2008 às 21:22
Oi, Borboleta A. e obrigada pelo aconchego!
De AMar a 9 de Setembro de 2008 às 23:00
Ok, confesso: muitas vezes ao ler os teus posts fico com "uma lágrima no canto do olho". Hoje a lágrima rolou do canto para baixo.
É que TODOS nós e não só alguns , temos dias melhores, outros em que as coisas nos atingem com mais impacto e nos fazem vacilar... Tu também SEMPRE foste assim, já não te lembras? Afinal, todos diferentes todos hu(manos)!
E claro, todos temos direito a pedir e a querer colo, mesmo quando os outros estão mais habituados a recebê-lo de nós... Há lá coisa melhor?
Pois a mim o que me parece é que quando o saco começa a estar cheio, o melhor é mesmo fazer soar o alarme e, seja lá como for, arranjar forma de o despejar:

Vai, vai mais longe, vai
Vai ao fundo do fundo
Não mudes de assunto
Há sempre um perigo

Sai debaixo das pedras e vai
Vai mais longe, mais fundo
Não mudes de assunto
Só porque é mais fácil

Há sempre um perigo

Sai debaixo das pedras e vai, vai
Descola a memória, flutua no vago
Deixa-te ficar
Há sempre um perigo

Vai, vai mais longe, vai
Vai ao fundo do fundo
Não mudes de assunto
Há sempre um perigo

Longe o ar é mais leve
Pode ser isso que me chama
Não sei resistir
Nem sei também, sequer, se devia

Há sempre um perigo

Sai debaixo das pedras e vai, vai
Vai mais longe, mais fundo
Não mudes de assunto
Só porque é mais fácil

Vai, vai mais longe, vai
Vai ao fundo do fundo
Não mudes de assunto
Há sempre um perigo

Vai, vai mais longe, vai
Vai mais longe, vai
Vai ao fundo do fundo

(Trovante)

De misal a 10 de Setembro de 2008 às 21:25
Bem...o que é que eu te hei-de dizer depois do que escreveste? Que também gosto muito de ti?! E que quase me puseste a chorar também, o que não é muito fácil, sem ser de alegria ou fúria!
Valeu!
De Marta a 9 de Setembro de 2008 às 18:42
É primeira vez que visito o teu blog. E desde já te dou os meus parabéns pela forma como escreves, pela forma como passas para o "papel" aquilo que se passeia pelo teu pensamento e pelo teu coração.
Sabes que admiro aqueles que têm coragem de seguir em frente, aqueles que querem sempre mais e mais. E vocês, os que intitulamos como deficientes ou diferentes, são assim... Vocês superam tudo... E nós? Ao primeiro obstáculo caímos e demoramos tempo indefinido a levantar (o pior são aqueles que não se levantam)....
De misal a 9 de Setembro de 2008 às 18:56
Olá! Obrigada pela visita e pelo comentário! E olha que eu não supero tudo! E também caio...e nem sempre me levanto com facilidade!... Sou é teimosa... e já aprendi que se não for eu a esforçar-me por mim própria, por muito que os meus gostem de mim e me apoiem, não conseguirei levantar-me! Só que há dias mais fáceis e outros menos fáceis, como com toda a gente!
e concordo contigo: o pior são aqueles que não se levantam... porque, às tantas, ainda não perceberam que caíram!
Até breve...porque também vou espreitar o teu blog!

Comentar post

Nada sobre mim

Procurar agulha em palheiro...

 

Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Posts recentes

...

DE LUZ E DE SAL

Abraço

Sábado, 24 de Abril, Sant...

Dia das Doenças Raras

Vencer, apesar do medo...

O hoje e o agora...

E bom Natal!!!!!!!!!!!!!

Desistir...

Ousar ser diferente

Baú de memórias...

Abril 2014

Dezembro 2011

Novembro 2011

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

tags

todas as tags

A escaldar...

Abraço

Dia Mundial da Música I

«Porque a deficiência não...

Ver, rever e (con)viver.....

Coganitos...

Hoje é o dia!

Momentos perfeitos

Tesouros...

Da voz das coisas

links

Estou no Blog.com.pt PT Bloggers a directoria de blogs Portugueses

Bisitas

blogaqui?

Ecos

Bisitas onlaine

online

Lugares dos sons

ImageChef.com - Custom comment codes for MySpace, Hi5, Friendster and more