Segunda-feira, 18 de Agosto de 2008

Deste ou daquele modo vou escrevendo...

Deste modo ou daquele modo,

Conforme calha ou não calha,

Podendo às vezes dizer o que penso,

E outras vezes dizendo-o mal e com misturas,

Vou escrevendo os meus versos sem querer,

Como se escrever não fossse uma coisa feita de gestos,

Como se escrever fosse uma coisa que me acontecesse

Como dar-me o sol de fora.

 

Procuro dizer o que sinto

Sem pensar que o sinto.

Procuro encostar as palavras à ideia

E não precisar dum corredor

Do pensamento para as palavras.

 

Nem sempre consigo sentir o que sei que devo sentir.

O meu pensamento só muito devagar atravessa o rio a nado

Porque lhe pesa o fato que os homens o fizeram usar.

 

Procuro despir-me do que aprendi,

Procuro esquecer-me do modo de lembrar que me ensinaram,

E raspar a tinta com que me pintaram os sentidos,

Desencaixotar as minhas emoções verdadeiras,

Desembrulhar-me e ser eu, não Alberto Caeiro,

Mas um animal humano que a Natureza produziu.

 

E assim ascrevo, querendo sentir a Natureza, nem sequer como um homem,

Mas como quem sente a Natureza, e mais nada.

E assim escrevo, ora bem, ora mal,

Ora acertando com o que quero dizer, ora errando,

Caindo aqui, levantando-me acolá,

Mas indo sempre no meu caminho como um cego teimoso.

 

Ainda assim, sou alguém.

Sou o Descobridor da Natureza.

Sou o Argonauta das sensações verdadeiras.

Trago ao Universo um novo Universo

Porque trago ao Universo ele próprio.

 

Isto sinto e isto escrevo

Perfeitamente sabedor e sem que não veja

Que são cinco horas do amanhecer

E que o sol, que ainda não mostrou a cabeça

Por cima do muro do horizonte,

Ainda assim já se lhe vêem as pontas dos dedos

Agarrando o cimo do muro

Do horizonte cheio de montes baixos.


Alberto Caeiro, O Guardador de Rebanhos

 

 

Deste e de outros modos, com as minhas palavras e as de escritores diversos tenho tentado passar para o blogue o que sinto, o que penso, o que descubro, o que julgo ter aprendido, os meus sonhos, os meus sucessos e os meus desânimos.

Um dia após o outro, pelo menos ultimamente, aqui vão surgindo comentários, reflexões, perguntas, projectos, lembranças, novidades, motivadas pelo meu dia-a-dia, pelas conversas que tenho com outras pessoas, por livros que leio, notícias que oiço, fragmentos de diálogos que apanho no ar sem saber bem a que se referem... São pedaços da minha vida e também da vida daqueles com quem me cruzo na realidade e na ficção e que, a partir do momento em aqui ficam registados, podem ser lidos por quem descobre este cantinho. Apesar disso e do facto de através deste meu blogue também pretender alertar para a problemática da surdez e das doenças raras, mais concretamente o Síndrome de Cogan, doença de que sou portadora,não imaginava o impacto que os posts pudessem ter sobre quem os lê; e digo não imaginava, porque recentemente tenho vindo a descobrir algumas reacções dos que me são mais chegados e de outras pessoas que não conhecia e que me contactaram. Há alguns dias apercebi-me de que, tal como me identifico com alguns autores de blogues que visito regularmente (cf. no verso "amigos" e as outras indicações desta página, na coluna lateral direita), também poderá haver pessoas que ao virem aqui possam encontrar alguém como elas, ou devido aos problemas auditivos, ou porque também têm uma doença crónica (rara, auto-imune...), ou porque comungam de alguns gostos meus, ou porque acharam curiosa uma imagem,  uma música,  um poema, alguma frase... Já não é a primeira vez que reflicto sobre isto, mas é de facto incalculável o "poder" que nós podemos ter sobre pessoas que nunca vimos e que, possivelmente nunca conheceremos pessoalmente; sei que aquela pessoa me tocou daquela forma, que este livro me fez pensar sobre aquela situação, que o que aconteceu me provocou estes sentimentos, mas desconheço quase completamente o efeito que poderei causar "nos meus visitantes" ("leitores" parece-me presunção !!). Há dias alguém que me escreveu (penso que essa pessoa saberá quem é!) teve a gentileza de me dizer "obrigada por estares aí" e eu fiquei sensibilizada e a achar imerecido o "obrigado", não por falsa modéstia, mas porque aqui escrevo para "dar de beber à minha dor" e não me tinha passado pela cabeça que pudesse dar alento a alguém com os meus desabafos.

Depois dos momentos de vaidade pura e dura (sou humana!!!!), dei por mim a pensar nas vidas em que tocamos quase sem dar por isso e como é bom sentir que, assim como nós nos sentimos mais acompanhados quando lemos determinados blogues, também conseguimos passar para os outros algum calorzinho. Obrigada eu, B.A., por teres permitido que partilhássemos o caminho...

Tou...:
Rabiscado por... misal às 19:46
link do post | «Li e penso de que...» | Adicionar aos favoritos
3 comentários:
De Borboleta_A a 19 de Agosto de 2008 às 12:59
Há palavras que nos tocam como se tivessem alma, que nos abraçam quando mais precisamos, sem nada exigir em troca...


Gosto muito de passar por aqui...Sempre.


De misal a 19 de Agosto de 2008 às 14:17
Nem consigo comentar!!! Obrigada!
De Tânia Vargas a 19 de Agosto de 2008 às 05:19
Gstei muito do poema que escolheste. É verdadeiramente belo...

Comentar post

Nada sobre mim

Procurar agulha em palheiro...

 

Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Posts recentes

...

DE LUZ E DE SAL

Abraço

Sábado, 24 de Abril, Sant...

Dia das Doenças Raras

Vencer, apesar do medo...

O hoje e o agora...

E bom Natal!!!!!!!!!!!!!

Desistir...

Ousar ser diferente

Baú de memórias...

Abril 2014

Dezembro 2011

Novembro 2011

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

tags

todas as tags

A escaldar...

Abraço

Dia Mundial da Música I

«Porque a deficiência não...

Ver, rever e (con)viver.....

Coganitos...

Hoje é o dia!

Momentos perfeitos

Tesouros...

Da voz das coisas

links

Estou no Blog.com.pt PT Bloggers a directoria de blogs Portugueses

Bisitas

blogaqui?

Ecos

Bisitas onlaine

online

Lugares dos sons

ImageChef.com - Custom comment codes for MySpace, Hi5, Friendster and more